sábado, 19 de dezembro de 2009

18/12/2009 - 08h47
Ex-vereador morre depois de denunciar Igreja Universal
Publicidade
RUBENS VALENTE
da Folha de S.Paulo

Diretor da Igreja Universal do Reino de Deus entre 1981 e 1986 e vereador do Rio de Janeiro por três legislaturas, Waldir Abrão declarou ter sido usado como "laranja" --teve o nome usado sem consentimento-- pela igreja em 20 operações de empréstimos fictícios que trouxeram dinheiro do exterior para a aquisição de uma TV de Goiânia (GO).

Abrão registrou um instrumento particular de declaração, de 23 páginas, no dia 18 de novembro no escritório Marzagão, Amaral e Leal Advogados Associados, de São Paulo. No documento, ele contou em detalhes como entrou na igreja nos anos 70 pelas mãos do líder Edir Macedo, os métodos de arrecadação da igreja e a suposta falsificação de sua assinatura em inúmeros documentos.

Seis dias depois de lavrar a escritura, passo inicial de uma futura ação judicial por cobrança de débito, Abrão, 81, foi encontrado caído no corredor do prédio em que vivia, no Rio de Janeiro, com um ferimento na cabeça. Ele morreu dois dias depois no hospital Souza Aguiar. A polícia investiga a morte.

Abrão anexou à declaração documentos que demonstram que, enquanto esteve ligado à igreja, ele realizou movimentações financeiras muito acima da sua capacidade. Por isso, foi autuado pela Receita Federal.

No auto da Receita, Abrão aparece como tomador de 20 empréstimos, no valor de Cr$ 25 bilhões (aproximadamente R$ 7 milhões em valores atuais), assinados entre 1992 e 1993 com as empresas offshore Cableinvest e Investholding, sediadas nas Ilhas Cayman.

Os empréstimos nunca foram pagos. Segundo Abrão, eram operações forjadas para internar dinheiro que havia saído do Brasil por meio de doleiros em operações de "dólar-cabo", um sistema clandestino de remessa de capitais.

As empresas Cableinvest e Investholding são as mesmas que estão no centro da denúncia oferecida pelo Ministério Público de São Paulo, em agosto, contra o líder da Universal, Edir Macedo, e no pedido de cooperação internacional protocolado pelos promotores de Justiça nos Estados Unidos.

Em 1997, a Receita cobrou de Abrão R$ 1,8 milhão, referente à multa sobre o imposto devido. Ele atribuiu a essa multa e às demais cobranças a decisão de registrar o seu depoimento.

Abrão contou ter entrado na igreja em 1977, quando ainda se chamava Igreja da Bênção. Ele afirmou que Macedo tinha o controle total da arrecadação. "Tanto na Iurd como na casa do bispo Edir Macedo, o dinheiro era contado e repassado para os doleiros que o encaminhava para o exterior", disse Abrão.

O aposentado narrou ter sido convidado por Edir para se candidatar a vereador no Rio, em 1988. "Na ocasião eu não sabia que o convite (...) iria sair tão caro para mim e que meu nome seria usado para ser o maior laranja da Igreja Universal."

A partir daí, ele e sua mulher apareceram como fiadores de aproximadamente 660 contratos de aluguel de prédios para templos. Alguns aluguéis atrasaram, e o casal passou a ser executado judicialmente.

Abrão descreveu a atuação dos parlamentares apoiados pela igreja: "O objetivo era fazer com que os políticos que foram eleitos pela Iurd aumentassem a arrecadação dos seus gabinetes, exigindo dinheiro dos interessados para aprovação de qualquer projeto que fosse necessário voto no plenário ou simples apoio político".

Nas reuniões com políticos, segundo ele, "o bispo Rodrigues ou o bispo Macedo sempre iniciavam o encontro perguntando se havia saído alguma coisa "boa" para eles". O ex-deputado Carlos Rodrigues deixou a igreja depois de ser citado no mensalão, em 2005.

Abrão deixou igreja e se afastou da política. "Meu gabinete nunca alcançava as metas por não concordar em votar de acordo com os interesses da igreja ou cobrar por apoio".

Em dezembro de 1997, o ex-vereador foi procurado por um auditor da Receita. "Verifiquei, pelas cópias que recebi, que todas as assinaturas dos requerimentos e da procuração que estavam no processo da Receita pedindo a juntada de documentos para atender as exigências do Fisco, em meu nome, eram falsas", afirmou Abrão.

Ele disse que procurou "acertar as contas" com a igreja por telefone, por cartas e reuniões, mas não obteve resposta.

Outro lado

Procurada desde quarta-feira por meio de sua assessoria de comunicação para comentar as declarações de seu ex-diretor-presidente Waldir Abrão, a Igreja Universal do Reino de Deus não havia se manifestado até o fechamento desta edição.

A Folha pediu à igreja, por e-mail, explicações sobre o suposto uso de Abrão como laranja na compra de empresas com recursos oriundos das empresas offshore Cableinvest e Investholding, sediadas no paraíso fiscal das Ilhas Cayman.

A reportagem também quis saber se Abrão manteve contato com representantes da igreja acerca do débito que a Receita Federal diz que ele possuía, no valor estimado de R$ 8 milhões (valores atualizados).

Em ocasiões anteriores, sobre outras investigações que trataram da Cableinvest e da Investholding, os representantes da igreja informaram que o assunto já foi analisado e arquivado, em inquérito que tramitou no Supremo Tribunal Federal.

Em entrevista concedida em agosto à TV Record, nos Estados Unidos, o bispo Edir Macedo, líder da Universal, disse que a igreja era alvo de ataques injustos e que a cada nova denúncia que surge a Universal fica mais fortalecida.

Arte/Folha

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ദിയ ടെ Finados


O Estado da Alma Depois da Morte, Um Estado de Existência Consciente

O Ensino da Escrituras sobre este ponto.

Tem-se levantado a questão sobre se, após a morte, a alma continua ativamente consciente e é capaz de ação racional e religiosa. Por vezes isso tem sido negado, sobre a base geral de que a alma, em sua atividade consciente, depende do cérebro e, portanto, não pode continuar a funcionar quando o cérebro é destruído. Mas, como já foi assinalado anteriormente (Capitulo III.D [da Teologia Sistemática deste autor]), a validade desse argumento pode ser posta em dúvida. "Ele se baseia", para usar as palavras de Dahle, "no erro de confundir o operário com a sua máquina". Do fato de que a consciência humana, na presente vida, transmite os seu efeitos pelo cérebro, não se segue necessariamente que não possa agir de nenhum outro modo.

Ao argumentarmos a favor da existência consciente da alma depois da morte, não nos apoiamos nos fenômenos do espiritismo dos dias atuais, e nem mesmo dependemos de argumentos filosóficos, embora estes não sejam destituídos de força. Buscamos nossas provas na Palavra de Deus, e particularmente no Novo Testamento. O rico e Lázaro participam de uma conversação, Lc 16.19-31. Paulo descreve os estado desencarnado como "habitar com o Senhor", e como uma coisa preferível à vida presente, 2 Co 5.6-9; Fp 1.23. Decerto que dificilmente ele falaria dessa maneira acerca de uma existência inconsciente, que seria uma virtual não existência.

Em Hb 12.23 se diz que os crentes têm chegado "aos espíritos dos justos aperfeiçoados", o que certamente implica sua existência consciente. Além disso, os espíritos debaixo do altar clamam por vingança contra os perseguidores da Igreja, Ap 6.9, e se afirma que as almas dos mártires reinam com Cristo, Ap 20.4. Esta verdade da existência consciente da alma depois da morte tem sido negada em mais de uma forma.

Autor: Louis Berkhof
Fonte: Teologia Sistemática do autor, p. 694 Ed Cultura Cristã.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

ടെ menor


video



De menor Muitas crianças e adolescente no Brasil estão envolvidas no mundo do crime, e esses menores são comummente chamados de “de menor”. É usado esse termo entre eles para mostrar que não podem ser preso, e são amparados pela lei nacional. E usando desse pensamento que são menores de idade. Nessa reflexão pretendo mostrar que defender é educar e e disciplinar.
video